sexta-feira, 27 de maio de 2011

Poema



...e Virgílio de Lemos oferece-me este "...branco silêncio da palavra..."


"Na vertigem de um vôo talvez acessível nos seja a beleza
nunca o infinito nem o eterno
quer sob a chuva a tempestade o sol
a brancura de uma luz que emerge imaterial e nua
solidária de uma alma de sangue.

Na Válega se escuta a voz de uma mulher e de sua poesia.

Grãos de sal de tua bôca, arco-íris de teu coração
Inez
o branco silêncio da palavra acontece."


Virgílio de Lemos
26 de Maio de 2011 - Les Moutiers en Retz

Sem comentários:

Publicar um comentário