sábado, 8 de abril de 2017




Quem adivinha que flor é esta?
Posso dizer que é pequenina e de cheiro amargo. E nos dias de chuva, a gota é um fardo. Mas vive a pequenina.
Quem adivinha que flor é esta?

(Pergunto de verdade. E a flor entretanto abre-se com o sol que passou uns segundos nesta tarde)

Inez Andrade Paes

sábado, 1 de abril de 2017



hoje é dia das mentiras e no entanto todos os dias se mente
se mente na liberdade
se mente na glória
se mente com armas na mão
se mente com o punho cerrado em socos poderosos no tampo de uma secretária
se mente por um nada
se mente por um todo
e mais um ano volta-se a mentir porque é o dia das mentiras e até se ensina aos pequeninos, que é só naquele dia que se mente
no entanto esse menino que é a semente volta a cerrar o punho e a dividir a sua mais crua realidade
a da vida
numa outra mente

se mente por um pão
se mente por um chão
se mente por um dia ausente

outra semente ausente desta sina existe
e não mente
mesmo no dia das mentiras


Inez Andrade Paes
1 de Abril de 2008


(2017 – precisamos de um dia da VERDADE)

sábado, 18 de março de 2017



De manhãzinha ao abrir a despensa, o cheiro das pastelarias antigas.
A Primavera desperta o passado.

Inez Andrade Paes

quinta-feira, 2 de março de 2017



  "Dois números recentes que evocam o aniversário vão ser apresentados (sexta 3 de março às 18:00) na sede da Associação de Jornalistas e Homens de Letras do Porto (Rua Rodrigues Sampaio, 140 (perto da Rua do Bonjardim e da Praça D. João I). Nesse sentido, este convite é-lhe dirigido – ficaremos muito gratos pela sua presença.

Foram convidados a estar connosco e a colaborar na apresentação alguns poetas originários do Porto ou região ou aí residentes, que tiveram colaboração sua na DiVersos entre o n.º 19 e o n.º 25: Amadeu Baptista, Ana Isabel Mouta, António José Queirós, Inez Paes, Jorge Vilhena Mesquita, Nuno Carneiro, Paulo Malekith, Ricardo Lima, Rui Tinoco e Teresa Ferro. Todos aceitaram o convite embora três de entre eles tenham tido ulteriormente impedimentos que lhes não permitirão estar presentes diretamente, mas serão evocados pelo editor.

Após uma breve introdução, os poetas presentes falarão um pouco da sua poesia e lerão alguns poemas seus, tenham ou não sido publicados na DiVersos.

O editor agradece à Associação de Jornalistas e Homens de Letras do Porto, e em especial ao Presidente da sua Direção, Francisco Mangas, a cedência do local. A apresentação, no entanto, é de inteira responsabilidade da DiVersos.

DiVersos - Poesia e Tradução"

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017



Uno-me a Mar
elevo-me a céu

Inez Andrade Paes

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Leilão de Arte

De 1 a 18 de Fevereiro
Peças a licitar, guia do leilão e apresentação dos lances em:
https://gloriadesantanna.wordpress.com/leilao/




















DA NATUREZA MORTA

Inez Andrade Paes


sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

o amor ao dia




qualquer desassossego
que o vento traga
a luz devolve o amor ao dia

Inez Andrade Paes

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

domingo, 18 de dezembro de 2016


 O calor de África não mostra o Natal mas a árvore e o Presépio que a minha Mãe fazia lembram-me de todos os melhores Natais vividos. Os da infância. Árvore alta que tocava no tecto com luzes brilhantes e bolas e anjos a serenar-nos, em cada olhar pousado neles. O Presépio persistia o ano inteiro numa mesa de canto feita pelo meu Pai. E só no Natal uma pequena e ténue luz era acesa por detrás de uma lamparina minúscula que revelava a manjedoura onde estava deitado o Menino.

A música que me fez lembrar o que vos escrevo era Adeste Fideles

Especiais imagens que nos reconfortam e nos trazem ao Natal a presença dos ausentes.

Todo o passado se apresenta como presente e cada presente é a satisfação da memória. 
 
Inez Andrade Paes


quarta-feira, 7 de dezembro de 2016



Mágoè – Tete – Moçambique  
(os Búfalos já choram os seus mortos)

- as formas da selva desaparecem nas sombras negras
  que em volta se transformam
  e são em África
  as flores antes das chuvas –

- os animais na Natureza são precisos para a harmonia –




















a vontade bovina
define-se nos homens

na selvagem autêntica vontade de matar

e a vontade de caçar?
quem sabe? quem sabe ?
da vontade que se cria nestes pastos?

juntem-nos todos para que comam sal

Inez Andrade Paes


 http://www.folhademaputo.co.mz/pt/noticias/nacional/massacres-de-bufalos-em-magoe-junto-a-albufeira-de-cahora-bassa-fotos/ 

http://all-that-is-interesting.com/american-bison-extinction-1800s