quinta-feira, 21 de outubro de 2010

QUERER, TER E SER



breve é a palavra no momento que me contém
na insidiosa ferida que se abre mais ao céu

aromas na lembrança
apaziguam a Fé
alterada
disforme mágoa
repetidamente insana

ai carne, da mesma carne
visível ao disfrute velado
em que teu olhar
avança e esconde

ódio em tuas palavras
ai carne, da mesma carne
levanto as mãos ao céu
pedindo vigilia
para que te cure
de anos atrás
de grades ............sonhando
vales
para teus servos de serapilheira
com bandejas de prata

olha para mim .....carne da mesma carne

teu sangue escorreu num fio ........de longo
teus planos misturaram-se com teu cavalo ...e teus ogres

peço ao céu tua cura
em oração que resvala de meu peito lavado
por esta mão materna


Inez Andrade Paes

Sem comentários:

Publicar um comentário