sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

MULHER PERDIDA NA CIDADE


vejo uma mulher curvada a correr de sombrinha na mão
seria sombrinha se o sol ali estivesse
agarrada a ela como a degolasse
miseravelmente arrastadas
as duas
uma na outra

seriamente
reparo na aflição do olhar dela com a sombrinha na mão
que ergue agora como bandeira
para passar o trânsito veloz com cavaleiros defesos
de olhar feroz

atravesso-me na via
com os cavaleiros atrás
de lufadas quentes nas narinas e relinchos perdidos
na nossa atenção
na da mulher com sombrinha na mão
e na minha chamada transgressão
aos olhos da civilização

como poderá hoje uma mulher do campo atravessar a estrada
de sombrinha na mão num dia de chuva?

miseráveis cavaleiros
de embustes caseiros sem chuleios nem alfinetes
que lhes agarrem as vestes

Inez Andrade Paes

Sem comentários:

Publicar um comentário