quinta-feira, 6 de agosto de 2015

Aos jovens Makondes

não é o sol que te tira a luz
não são as escamas dos peixes que chegam à praia
que te cortam os pés
são as palavras
as palavras que não sabes escrever
com as letras que te ensinaram a dizer
o teu nome
o teu verdadeiro nome
não és Americano
não és Italiano
não és Brasileiro
não és Chinês
és Moçambicano
Makonde
de tez negra avermelhada e cortada no passado
marcando assim a pele para que não te escolhessem

Não temas a origem
escreve o teu nome assim
como o nome de um guerreiro mesmo que já esteja morto
dali levarás
toda a sua dignidade humana

Shonde     Unaiti     Kulupila      Ndaudya              

Inez Andrade Paes
::::

Nomes Makondes que por causa da colonização Portuguesa tiveram obrigatoriamente de ser misturados com nomes Portugueses, tirando-lhes a essência.
Hoje - Moçambique Independente - os mesmos nomes são desprezados porque em vez deles e com o brilho do dólar é mais interessante ser John.

Shonde – Piedade
Unaiti – Independência
Kulupila – Esperança
Ndaudya – Regressar

:::

Porque hoje me lembro de si, Augusto Chilavi

[…]
 Mas continuando a falar de escultura, em Pemba no Alto Gingone vive um dos maiores Escultores Moçambicanos e creio que muito pouca gente o sabe.

 Chama-se Augusto Chilavi. Uma da peças esculpidas por ele foi um cálice, da Missa que o Papa celebrou quando esteve em Moçambique.  Tive o prazer de estar com este Senhor , e no espaço em que muitas vezes estive em pequenina... sua casa.

 A grande mangueira onde brinquei com outras crianças ainda lá estava, apesar de termos falado de que muitas outras árvores tivessem sido arrancadas com falta de senso, para dar lugar à estrada que rasga agora desde o aeroporto até ao Wimbe. Um aspecto focado por ele e bem marcado sendo ele pessoa que tão bem as conhece, quando as suas mãos durante tantos anos pegaram em madeiras tão nobres e deram novas formas umas tão sofridas outras tão belas, sobrepondo-se ao próprio sofrimento natural das árvores..

..Aprendi com o meu Pai que quando se faz qualquer tipo de construção não devemos abater árvore alguma se não for estritamente necessário. Aqui neste canto da Europa, arrasa-se primeiro e pensa-se depois...
.
Inez Andrade Paes, Pemba 2005

Sem comentários:

Publicar um comentário