quarta-feira, 15 de maio de 2013

                                                                             Poeta, Eduardo White / foto de Bruno Mikahil

Vencedor  do  Prémio  Literário  Gloria  de  Sant’Anna - 2013
        
 
Nada,
Nem sequer um limpo pranto,
Um olhar branco, uma agonia.
 
Nada.
A tudo é imune, o faquir,
Até ao sal, disso, indiferente.
 
Ele, o rosto e o corpo,
Nitidamente permanecem
indeformáveis e intactos.”
Eduardo White In O Poeta Diarista e os Ascetas Desiluminados - ALCANCE EDITORES – Moçambique

 
Júri
Fernanda Angius – Estudiosa de Literatura Moçambicana
Teresa Roza D’Oliveira – Artista Plástica
Eugénio Lisboa – Ensaísta e Crítico Literário
Victor Oliveira Mateus – Escritor
Américo Matos – Director do Jornal de Válega

 
 

Sem comentários:

Publicar um comentário