sexta-feira, 20 de julho de 2012




SOFÁ CAMA NÃO!


Prefiro o chão.
Dos vários sofás que se abrem em cama, não sei como os constroem, mas os corpos encontram-se no meio - se de dois corpos falamos - enterrados na fundura do meio do colchão, cara contra cara e a pensar que o CO2 do outro nos vai dificultar a oxigenação do cérebro, ou nariz achatado nas costas do outro e de boca aberta.
Se de um corpo se trata - falo do meu - afundo se virada para a direita, narina direita completamente fechada, olho fechado sem aquela ligeireza de pálpebra semicerrada da noite, e o fígado sente-se.
Viro para a esquerda afundo também, desta vez a narina esquerda, a pulsação ouve-se de tal maneira que parece que vou explodir.
De barriga para cima, não respiro pela compressão dos pulmões e os ombros quase se tocam na frente do peito.
De barriga para baixo, nem pensar, é suicídio voluntário.
Para me levantar da fundura esponjosa, tomo balanço com força para me desenterrar e respiro fundo e sofregamente como se me estivesse quase a afogar.
Uma luta.

Sofás cama não. Prefiro o chão.
Mesmo que o rendado da esteira me fique marcado no corpo e a perna coxeie o dia todo de dor ciática e me vanglorie de que passo a noite toda a fazer yoga.

Sofá?
Só de três lugares e uma mantinha por cima, se a noite for fria.


Inez Andrade Paes

Sem comentários:

Publicar um comentário