domingo, 1 de maio de 2016



Hédera     
       
lavras o chão do campo
sobes com hastes finas a muralha

que frágil estás
no amanhecer entre o orvalho


que goteja a nossa cara

Inez Andrade Paes

Sem comentários:

Publicar um comentário