segunda-feira, 4 de agosto de 2014


 
“o direito de viver em Paz”
 
sacode almas que estão
em nome daquelas que não

perturba a anima calma
da anima em contradição
 
o vento que nos chega
não chega a contar-nos tudo
porque a morte o cega
e só os que lá estão são assunto
 
mas o mar traz-nos
os mortos
intactos
com um grito de pedido
 
o direito de viver em Paz
 
Inez Andrade Paes


Sem comentários:

Publicar um comentário