quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Sem imagem


descem mensageiros
quando me paro no pensamento

há luz no chão
quando os meus olhos lobrigam
alguma migalha
pousada entre os meus dedos do pé

logo ao lado a solidão de um insecto
que carrega a outra migalha

são cargas pesadas
a minha
e a outra

olho para o céu
e vejo clara a manhã
mas tenho uma pena imensa
quando olho para o lado
e vejo a fraca malícia de tentação vã

vem ao meu encontro e descansa essa alma cansada
não te esqueças que ontem estava escuro
hoje a manhã é límpida e a migalha está carregada

Inez Andrade Paes

Sem comentários:

Publicar um comentário