quarta-feira, 24 de março de 2010

POEMA



sabes quando choras
e o silêncio está dentro sem lágrimas ?

sabes quando morrem as árvores
e não podes fazer nada
e não tens posse de vida porque ela não te foi dada?

a não ser que as sabias ali e as vias de mãos sempre dadas

sou agora assim como mutilada
de uma assombração inúmera desagregada à volta do pescoço
com duas mãos apertadas

sabes quando choras
entre um pecado
uma fúria de raiva que não era precisa porque o tempo
que estava
não o vias
passava sem o teres de perto

sou agora assim
presa com os nós dos dedos
ao chão
onde tuas astes e braços tombaram

sabes
?
leva-me agora
não olho pro céu
fico calada

Inez Andrade Paes

quinta-feira, 11 de março de 2010

Garça-real

Ardea cinerea


aquela velha Garça-real tinha um dono



planando       planando em círculos
largos
cada vez mais largos
cada vez mais baixos

abaixo de seus planos
um lago com peixes




doze dias

aquela velha Garça-real
planava       planava
pousava no muro alto
e esperava



o vento soprava em suas penas
parecia uma velha figura despenteada

levantava
de novo em plano preciso
planava

descia

mais alto pousava
          no telhado da casa que tinha o lago




o homem da casa do lago
era dono
de peixes de prata que brilharam em seu bico


aquela velha Garça-real tinha um dono

o céu


Inez Andrade Paes